Mareou (Quadratura)


Francamente? Não.
O café sempre é servido meio frio já, como se no intervalo entre colocar água na chaleira e acender a boca do fogão, o gás escapasse todo.
E você sabe mais do que ninguém como o chá para a classe média representa um ótimo escalda-pés.
Não que eu não faça grande diferença em praticamente tudo, mas e daí, não é mesmo? O caso é que eu não sei realmente de que porra você está falando quase nunca e mesmo assim sempre acerto as quinas acumuladas.
E antes que você diga que o inverso também acontece, eu digo que isso seria possível se não fosse por um detalhe: O inverso sou eu.
Isso é o fim da picada para alguém que já tem mais do que recordes batidos e tem plena convicção de que o imponderável é nunca ter conseguido dinheiro suficiente para comprar uma máquina de lavar com centrífuga à vista.

Confesso que admiro quem consegue ler praticamente todos os livros até o final e ainda sem bocejar. Mas só os que, nesse intervalo, nem respiram.
Lembro de época em que determinados homens eram escolhidos a dedo por algum dado pirotécnico lançado verticalmente nas matriarcas do cu do mundo enquanto eu apenas não tinha nascido.
Enquanto você escreve e lê amores, eu lavo e espremo a roupa suja na mão e ainda com um certo ar contrariado que nem me convence. Sempre serei neta de lavadeira.
Chacot pra mim é bosta. Berlim é bosta. Pensando bem, você é um bosta. Não que eu fique muito atrás disto também, afinal tenho tanta preguiça desse lance homens-mulheres.

Quando penso nas besteiras enormes que fabricam casais a granel tenho até urticária. Afinal é isso que são homens e mulheres, né? Um monte de frescura intercalada com grandes ares de sabedoria messiânica gay, variando quem dá o rabo pra quem de hora em hora pedindo bis.
Mas ficam adoráveis lembrando de alguns sorrisos sem autógrafo.

Pensando bem, nada disso.
Chacot me lembra chacota, de Berlim lembro de "Asas do desejo" (era em Berlim, não era? Se não foi passa a ser agora). Porra de filme desgraçado que me fez sentir uma rolinha manca e que prometi assisti só uma vez por ano, todo o resto da minha vida.

No dia em que uma mulher nascer perdoada por ter um lindo sorriso, eu chuparei picolé de café, nua, no polo norte.

..

Texto gasoso inspirado no: http://vazamentosdevapores.blogspot.com/

15 comentários:

Paulo Castro disse...

Pois bem, queridos, queridas e pulhas em geral:
É isso aí.
Pra vcs entenderem (ará) do que a Grazzi está falando terão que ir até www.vazamentosdevapores.blogspot.com.
E a continuação disso se dará lá, então terão que vir até aqui.
Ping-pong mesmo.
Se der tontura, segurem no ombro da velha com andador.
E não pensem já pensando com essa velocidade marota que é uma guerra dos sexos, ou uma completude....olhem bem pra Grazzi, olhem bem pra mim. Lá somos disso ? É ranhura mesmo, cross-cap, erosão e aumento da falta.
Então é uma rodada em http://grazziencontro.blogspot.com e outra em http://vazamentosdevapores.blogspot.com
Interfiram, tomem partido, achem que estão no BBB através dos comentários. OU os use de maneira radical....ou seja, nasçam como raízes desse rizoma, caules desse tronco e a gente não sabe no que isso pode dar.
Para ser bem didádito e cidadão estou deixando o mesmo recado no Vazamentos de Vapores. Amarradinho, não ?
Quando um responde ao outro ? Confesssamos que não sabemos. Mas penso que compensa estarem alertas como nos gibis do Capitão América.
Toma lá, dá cá.
Beijos.
º

izabel disse...

sinto muito, grazzi, mas vc é PHODA. RSRSRSRSRS.kkkkkkkkkkkkkk! amo vc.

Samantha Abreu disse...

poôxa!
eu chupo o picolé contigo!
duvido que um dia seremos perdoadas pelo sorriso, pelas unhas bem feitas ou pelas curvas gordinhas.
Mais nos servem dietas de doces, amores e dores, do que a indefinível (não interminável) guerra dos sexos.
Mas a Bel disse bem: é phóda.
Um beijO!

Anônimo disse...

Nós mulheres,(ainda bem) temos a capacidade de falar com nós mesmas. e somos ótimas companhias pq falamos pra caralho!tiramos o tédio experimentando roupas loucamente e escolhendo entre tds apenas um écharpe.. ficamos facinadas vendo a máquina lavando nossas roupas pelo espírito de solidariedade que ela tem por nossa alminha fémini,,,
O pior é que qdo chega á noite,ou num domingo gostoso echuvoso,fazemos um café, com biscoitinhos comprados na padaria da esquina e oferecemos pra ele. mas qdo chegamos na sala, lá estão; com aquela varinha de plástico matando mosquitos de cueca velha samba- canção pela casa com desenhos de joaninha amiga!e qto se fosse em Berlim ou não, nem lembrariam além da última barba q fizeram. Agora me diz,aqui entre nós: isso lá vai dá tesão? tenta!Maria de Fátima Prado

Anônimo disse...

adorei isso aqui, vai pra lista das melhores coisas q já degustei sem piscar sem dar de ombros sem ...ah sem vc sabe o quê.


aff grazzie. adoro.


jorgeana braga.

b disse...

Frase feita e antiga, mas homem não presta.
Pior que isso é gostar deles.
Quem mandou?
Tem que ser totem, minha filha, totem sujeito a uma idolatria mentirosa, que nunca é prá você, totem sujeito a receber as mais escrotas oferendas, totem.
Casal é a coisa mais pegajosa que existe e é pegajosa principalmente quando a gente está num lado do casal.
Vai levando no escárnio ou no silencio.
Porque é tudo mentira mesmo.
Não adianta vc sofrer lá na cena do picolé, vai ficar no frio e não passa disso.
Aliás, nem vai ter cena de picolé, porque mulher alguma vai ser perdoada de nada.
Tá neles a rodada .
A roleta rangente sobre uma mesa que nem existe.
Tu e mulher alguma tem alguma coisa de concreto.
Esquece essa coisa de sofrer.
Homem é assim...não existem , porque se vc imaginar, de longe, que eles são reais, vais empacar numa lama estranha.
Virar estátua por um tempo.
Então aproveita o tempo seco, porque na primeira chuva ou na primeira colheita (deles), tua estátua vai desmontar.
Não olhe não fale não ouça
Apenas use uma ínfima parte desses seres estrangeiros - porque são sempre estrangeiros- o que é um erro, porque a estranha deve ser sempre a mulher.
Mulher tem que ter dentro o ímpeto de advérbio de negação e sendo assim, prá eles, o que sobra é uma mentira que eles não suportam tanto quanto nós.
Nem pensam...
Tô interagindo...me mandaram fazer isso ok?
Boa você hein!

Paulo Castro disse...

PALLLLLLLLLMMMMMMMMASSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS para Bárbara (b).
Botou pra fuder.
É assim mesmo.
Que sirva de exemplo essa cuspada na gente.
Love, Bárbara.
º

mulhersorriso disse...

"sempre acerto as quinas acumuladas."
Certo...então o que eu faço com as minhas feridas?
Eu tenho gastado muito tempo com as feridas solitárias. "E antes que você diga o inverso" , eu não sou disfuncional! Não tenho mais assento na grande família!
Só mesmo um "picolé de café".

Nadir disse...

Ah, e um Abraço gelado de Amor, Grazzi !

Anônimo disse...

Lembrei do filme "O Gladiador", na hora em que Maximus enfrenta o imperador Cômodo na grande final.

O primeiro (que aqui chamo de marido) parece tão confiante na sua espada que até deixa se levar pela suposta virilidade que ela demonstra, enquanto o segundo (chamarei de esposa) parece já se conformar com a própria derrocada, mas insiste em acreditar que a sua armadura (isso existe?) é imperfurável, mesmo desconfiando do ferreiro.

No final, é Roma que se diverte e goza (eles são os normais).

Maximus volta pra casa e vê que já não tem mais família, mulher, filha, nada mais além do que a sua varonil espada cega e o seu cavalo cansado (carro). Cômodo, agora morto, recebe as devidas honras por ter fracassado e se pudesse, nesse caso, ainda se culpava.

Roma se diverte, com tudo e com todos!

Luis - Surprises

CL�UDIA disse...

ah sim, vamos nos divertir.. a vida eh mesmo um grande circo. e ninguém presta muuito mesmo nao. nem elas nem ele. nem eles nem ela.e nem ´precisam ter a pretensão de prestar. á á á a

Zisco disse...

Oi Tia Grazzi, vai no meu blog tem um selo para vc colocar aqui, bjs!

albert-silvia-lurdes disse...

Esmaguei o ossinho do meio da minha mão fechando a janela, merda...quem sabe agora pra completar não consiga escrever sobre o quanto é impossível se tranquilizar na presença tão distante da realidade( seria tanto café?), essa facilidade de viver no eterno pat(h)o apaixonado (quack), delirando( se delira "em" ou "com" aqui nessa parte hein?) imgens minhas, vermelhas translúcidas... e eu me fudendo aqui e tendo a quase certeza de que é mais feliz quem vive assim,mas e aí? E eu com isso?Melhor fazer um sexo e lembrar os contos de fadas enquanto isso.

Aqui em Porto Alegre chove, não fui na pracinha e estou de ressaca, adorei os textos até agora e não fui eu que machuquei a mão!
Beijocas !

jaymeac disse...

Descordo completamente da total maioria desses comentarios feministas. Com excessao a admiracao inquestionavel pela obra e pela autora que e fantastica.
Mulher, para minha humilde concepcao do mundo, ja nasceu perdoada. Por muito menos que um sorriso ate. Por um sorriso entao, ela ja esta no paraiso que deve ser bem pertinho do Polo Norte. E nao vai ter picole de cafe nem que seja nua... O que a vida ensinou a voces mulheres?... Por certo nao o mesmo que ensinou a mim.
Parabens Grazzi.

Anônimo disse...

kkkkkkkk
kkkkkkkkk
Ainda tem gente que consegue!!!!!

MPacheco